Páginas

30 dezembro, 2009

Desejos...


DESIDERATA

Por Cau Alexandre

Desejo que a cada novo ano sejamos mais humanos.
E na arte de humanos ser, que nunca percamos a capacidade de sonhar!
E sonhando, jamais esqueçamos a importância de desejar!
E desejando, não percamos o rumo da busca.
E buscando, não paremos de olhar para o que realmente importa.
E olhando, que possamos ver aquilo que faz a vida valer a pena:

A beleza da flor que nasce espontaneamente no caminho;
Os pássaros cantando na copas de árvores esquecidas;
As frutas que gratuitamente nos ofertam vida;
As nuvens que juntas nos presenteiam com a sombra;
O sol que silenciosamente nos aquece a alma;
A chuva que refresca o corpo;
O corpo que nos garante o caminhar!

Desejo que sendo mais humanos aprendamos a ser mais benignos.
E na benignidade sejamos bondosos não só com os outros,
Mas também com nós mesmos.
E sendo bondosos nos permitamos sonhar o impossível,
E assim, sejamos capazes de buscar estrelas
Dentro dos olhos felizes de quem nos sorri.
E buscando estrelas não nos ceguemos pela obstinação.
E vendo claramente, que possamos sorri de volta.
E sorrindo, recordemos tudo que nos faz feliz:

As mãos que nos afagam com genuíno cuidado.
A boca que nos beija com legítimo amor.
O amigo simples e perene.
A simplicidade abundante que satisfaz a alma.
A fé incansável que alimenta o espírito.

Desejo que sejamos mais humanos.
E então fujamos da autopiedade e da passividade mórbida.
E dando um brado de liberdade de nós mesmos.
Que descortinemos nossos próprios erros,
E enxergando nossas imperfeições, sejamos capazes de perdoar:
A nós, sem autoflagelação e aos outros, sem sarcasmo.
E perdoando, fujamos dos discursos vazios de fraternidade vazia e falso amor.
E fugindo, que achemos a companhia dos amigos verdadeiros,
E encontremos o renovo do sentimento
E renovados que demos as mãos num abraço de almas irmãs.

Desejo a você mais humanidade.
A mesma que arde feito chama dentro do seu próprio peito.
A mesma humanidade que nos faz falhos, imperfeitos e únicos.
E dentro desta assustadora perspectiva,
Banhados em lágrimas salgadas de dor e alegria.
Que tomemos a decisão de desejar, buscar, crer, lembrar, ver,
E amar sem limites, sem fronteiras, sem barreiras.
Amar com intensidade, calor e veemência.
Amar, simplesmente amar.
Sem as lembranças que magoam,
Sem as imagens que ferem.


Ser humano é ser capaz de superar-se, acima de tudo!
E ser capaz de amar!